Quarta, 21 de Abril de 2021 02:39
Geral Polêmica

Após desobedecer Governo de Minas, prefeito de Itajubá decide aderir à Onda Roxa

Decisão acontece no momento em que cidade tem, pelo segundo dia consecutivo, 100% dos hospitais ocupados

17/03/2021 08h45 Atualizada há 1 mês
1.670
Por: Redação
Prefeito de Itajubá desobedeceu decreto do governador e não aderiu à Onda Roxa (Foto: Reprodução/Internet)
Prefeito de Itajubá desobedeceu decreto do governador e não aderiu à Onda Roxa (Foto: Reprodução/Internet)

A prefeitura de Itajubá anunciou, na manhã desta quarta-feira (17), que a cidade está na Onda Roxa do programa Minas Consciente. A medida foi tomada após o prefeito de Itajubá, Christian Gonçalves (DEM), anunciar nesta terça-feira (16) que não iria obedecer a determinação do governador Romeu Zema (Novo) que rebaixa todo o estado de Minas Gerais para a faixa mais restritiva do programa Minas Consciente.

A medida estadual começa a valer nesta quarta-feira (17) e é obrigatória para todas as cidades do estado.

Em comunicado feito junto do vice-prefeito e secretário de Saúde, Nilo Baracho (Republicanos), o chefe do Executivo Municipal disse que estava aguardando a publicação de um decreto por parte do governador rebaixar a cidade para a Onda Roxa.

O anúncio polêmico do prefeito de Itajubá aconteceu no momento mais delicado da pandemia de covid-19 em Itajubá. O município é a cidade do Sul de Minas com mais mortes pela doença, com 175 óbitos. Itajubá tem, ao todo, 5.136 infectados pela doença e não há mais vagas em leitos de UTI e enfermarias para pacientes com coronavírus nos dois hospitais da cidade.

Segundo Gonçalves, o governador não tinha oficializado a medida que rebaixa todo estado para a Onda Roxa, e disse que a cidade ficaria sob as regras do decreto municipal publicado nesta segunda-feira (15) e que previa lockdown apenas entre sexta-feira (19) e domingo (21). "Por esse motivo, nós ainda seguiremos o decreto que nós, aqui na prefeitura, publicamos", alegou Christian.

A partir de agora, apenas setores essenciais poderão funcionar, como estabelecimentos de agropecuária, clínicas veterinárias, bancos e seguradoras, transporte público, supermercados, padarias, lojas de conveniência, farmácias, serviços de energia, postos de combustíveis, construção civil, indústrias, lavanderias, imprensa, informática e serviços de interesse público como água, esgoto, funerárias e correios. A medida tem validade por 15 dias.

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias