Sexta, 14 de Maio de 2021 23:23
Geral Itajubá

Mulher denuncia suposta troca de vacinas contra a covid-19 durante aplicação em idosos

Casal de idosos da cidade pode ter recebido doses trocadas

25/04/2021 12h25 Atualizada há 2 semanas
1.607
Por: Redação
Educadora física denuncia possível troca de vacinas pela prefeitura de Itajubá (Foto: Ellen Carvalho)
Educadora física denuncia possível troca de vacinas pela prefeitura de Itajubá (Foto: Ellen Carvalho)

Uma educadora física de Itajubá postou nas redes sociais, nesta sexta-feira (23), uma denúncia sobre uma possível troca de vacinas contra a covid-19 pela prefeitura. Segundo a personal trainer Ellen Carvalho, os enfermeiros responsáveis por aplicar a segunda dose do imunizante nos pais dela teriam injetado a vacina do laboratório errado.

Na segunda dose, tanto o pai como a mãe, teriam recebido a vacina da AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz. Na primeira aplicação, eles tinham recebido a vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan.

Os dois imunizantes possuem protocolos diferentes. A vacina inglesa exige um intervalo de cerca de três meses entre uma dose e outra, enquanto que a chinesa possui um intervalo menor, de pouco menos de um mês. A discrepância ficou registrada no cartão de vacinação dos pais dela, que ficou preocupada com a possível troca.

"Sei que os enfermeiros e assistentes estão sobrecarregados, mas aconteceu com meus pais e esse tipo de distração não pode acontecer nesse momento tão importante de vacinação", disse.

Segundo ela, por serem idosos e acamados, os enfermeiros da Secretaria Municipal de Saúde foram até a casa dela para aplicar as vacinas, nas duas vezes. 

"Na primeira dose da vacina eu pude acompanhar e foi do laboratório Sinovac/Butantan. Já na segunda dose, eu não pude acompanhar pois estava trabalhando, e foi de outro laboratório, a Fiocruz. Só vi quando cheguei em casa, ao verificar o cartão de vacina", afirmou. 

A personal trainer disse que entrou em contato com a pessoa responsável pela vacinação, que disse ter acontecido apenas uma troca de etiquetas. "No entanto, como não acompanhei o processo, fica essa dúvida e a insegurança se realmente eles tomaram as doses do mesmo laboratório e se vão ficar protegidos do vírus", contou. 

Diante da situação, ela alerta para que todos fiquem atentos ao receberem a segunda dose. "Deixo o alerta para os que ainda vão tomar a dose a olharem e ajudar os enfermeiros, acompanhando todas as fases da vacinação para que esse tipo de distração não ocorra novamente", disse. 

Um levantamento apresentado nesta semana pelo jornal Folha de S. Paulo apontou que pelo menos 16,5 mil pessoas tomaram doses trocadas das vacinas no Brasil. Os dados estão registrados no DataSus, sistema de informações do Ministério da Saúde. 

Embora não existam estudos que atestam qual a eficácia da imunização por fabricantes diferentes, a recomendação do Ministério da Saúde é que uma pessoa deva receber as duas doses do mesmo fabricante. 

A reportagem do Diário de Itajubá tentou contato com a Secretaria Municipal de Saúde da prefeitura de Itajubá, mas não recebeu retorno até a publicação da reportagem.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias